Translate

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Também não.


Veja isso!

http://br.noticias.yahoo.com/video/tanque-quase-atropela-soldados-141500942.html


Em vídeo, Lula orienta sobre uso das redes sociais

Em um vídeo publicado nas redes socais nesta quinta-feira, 30, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu o espaço da internet para que não seja usado para fazer "o jogo rasteiro da calúnia" ou do "baixo nível". As declarações de Lula ocorrem em meio às discussões sobre como deverá ser a atuação do PT nas redes sociais durante a campanha eleitoral.
 
 No vídeo, divulgado no perfil do Facebook do petista, o ex-presidente responde a três perguntas sobre internet e redes sociais. Logo no início, Lula fala sobre liberdade e responsabilidade dos usuários da web. "A minha preocupação com a internet é que, quando você tem muita liberdade, você não sabe usar essa liberdade, você está jogando fora um espaço de conquista extraordinário. Eu, por exemplo, sou contra qualquer veto à utilização da internet. Agora, eu sou favorável a responsabilizar as pessoas que usam a internet", diz.

"A internet é uma arma poderosíssima. Quanto mais responsável nós formos, melhor. Quanto mais a gente trabalhar no sentido de falar coisas positivas, mesmo quando você critica, criticar por fundamento e não ficar fazendo jogo rasteiro da calúnia ou de baixo nível porque quando você calunia você não politiza, não ensina, não produz um fruto", acrescenta em outro trecho do vídeo.>>Na parte final do vídeo, ao responder sobre qual mensagem passar aos seguidores nas redes sociais, Lula aproveita para criticar a cobertura da mídia. "A mensagem não é que eu quero que todo mundo fale bem do governo. A mensagem é que todo mundo seja verdadeiro, seja para criticar, seja para apoiar o governo, porque está acontecendo muita coisa boa no País", afirma.

"Às vezes fico triste. Eu vejo televisão, começa às 6h15 da manhã, estou vendo televisão, o cara fala assalto não sei onde, morte não sei onde, batida não sei onde. Eu fico pensando: será que não nasceu uma criança hoje no Brasil? Será que ninguém foi bem atendido em algum lugar? Será que não tem nenhuma coisa boa para a gente mostrar sempre os dois lados da moeda", comenta o ex-presidente.

Oficinas
O vídeo protagonizado por Lula faz parte do conjunto de orientações do PT aos seus militantes sobre como se comportar nas redes sociais, sobretudo nas eleições deste ano. A partir de março, a sigla fará uma série de oficinas para orientar seus militantes quanto ao uso de espaços como Twitter e Facebook na campanha pela reeleição da presidente Dilma Rousseff e dos candidatos do partido.>>As oficinas sobre redes sociais integram o plano de trabalho do partido para a área de comunicação, definido pela executiva nacional petista na segunda-feira. Além delas, a direção do partido decidiu transformar as páginas da legenda em uma rede nacional de notícias.
 
 

Lula fala sobre internet e redes sociais

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Censura, em nossos dias?

Visito frequentemente o Blog do deputado federal Anthony Garotinho devido à sua forma de conduzir a sua vida pública e a sua convicção de fé. Enfim, me informo e aprendo com as matérias publicada neste blog. CONTUDO, algo me chama a atenção que é o "cabeçalho" ali existente que publico aqui:Blog do Garotinho Blog sob CENSURA
 http://www.blogdogarotinho.com.br/

Ou seja, certa pessoa tem o direito (mesmo sendo pessoa pública) de não ter o seu nome citado nem sua imagem publicada porque a justiça a protege... Fiquei então pensando: Qual é o limite de privacidade que tem um homem público, uma vez que "cuida" da coisa pública? E se citado, a justiça não deveria apenas se basear em indenizações monetárias ao reclamante quando confirmada sua denúncia? Cercear o direito à informação me parece um desserviço à sociedade e sobretudo uma atitude muito obsoleta ao direito mútuo, que não cabe mais em nossos dias atuais. 

Por isso, resolvi publicar isso aqui, como minha forma de protesto, NÃO POLÍTICA PARTIDÁRIA, mas cidadã, a fim de ENTENDER MELHOR A CABEÇA DE NOSSOS JUÍZES POR TODO O BRASIL. TAMBÉM, não sei o conteúdo do processo que teve este deferimento, mas mesmo assim, continuo achando que a internet, a televisão, o rádio, o jornal impresso, toda imprensa, em sua essência, há que ser livres! E de igual modo, responsável.




quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

Dilma inicia última etapa de seu mandato como favorita para eleições de 2014

São Paulo, 1 jan (EFE).- A presidente Dilma Rousseff inicia nesta quarta-feira o último dos quatro anos de seu primeiro mandato e aparece como favorita para vencer as eleições presidenciais que serão realizadas em outubro, apesar de ainda não ter confirmado oficialmente sua aspiração à reeleição.

Após três anos de intenso trabalho e diversos desafios, tanto econômicos como sociais, Dilma encara a última etapa de seu primeiro mandato com o respaldo de mais da metade dos brasileiros (56%), segundo uma pesquisa publicada pelo Ibope em dezembro.

A governante manteve uma elevada aprovação desde sua posse, mas sua avaliação pessoal desabou por conta da onda de protestos sociais que sacudiram o Brasil em junho, embora meses depois e após dar resposta a algumas das reivindicações, recuperou parte de sua popularidade.

Com relação à gestão de seu Governo, Dilma conta com um apoio popular maior que tinham tanto seu antecessor e mentor político, Luiz Inácio Lula da Silva, como Fernando Henrique Cardoso no último de seus primeiro quatro anos de mandato, no qual ambos foram reeleitos.

Enquanto 41% dos brasileiros consideram "excelente" ou "bom" o Governo de Dilma na última pesquisa realizada pela Datafolha em 2013, essa porcentagem era apenas de 28% para Lula em dezembro de 2005 segundo a mesma empresa e de 37% para FHC em dezembro de 1997.

Embora ainda não tenha se pronunciado sobre se voltará a ser candidata do PT nas eleições presidenciais de outubro, as pesquisas apontam que caso concorra ao cargo, a chefe de Estado contaria com intenções de voto que permitiriam ser reeleita sem necessidade de disputar um segundo turno.

As enquetes dão à Dilma intenções de voto próximas de 50%, enquanto nenhum de seus possíveis rivais superaria 20%, exceto a ecologista Marina Silva, que caso seja candidata do Partido Socialista Brasileiro (PSB), formação à qual filiou-se recentemente, alcançaria cerca de 25%.

Apesar de seu silêncio, tanto o PT e como seu líder máximo, Lula, defenderam em mais de uma ocasião a candidatura de sua afilhada política.

"Temos uma responsabilidade e é reeleger esta companheira como presidente da República", declarou Lula em dezembro durante a inauguração do Congresso Nacional do PT.
Caso aspire finalmente à reeleição e ganhe de novo as eleições, como apontam as pesquisas, a chefe do Estado tem pela frente vários desafios, sobretudo o de impulsionar uma economia que cresce a um ritmo menor do que o esperado.

Após registrar uma expansão de 7,5% em 2010, no último ano de Lula no poder, o crescimento econômico brasileiro com Dilma foi do 2,7% em 2011 e de 1% em 2012, enquanto os analistas calculam que o de 2013 não passará de 2,3% e que essa taxa se repetirá em 2014.

O próximo chefe do Estado deverá, além disso, lidar com uma alta inflação, que nos últimos três anos se manteve em torno dos 5%, assim como com uma elevada taxa de juros, que fecha o ano em 10%.
Além disso, após um 2013 marcado pelo programa de licitações ao setor privado, o Brasil deixou no papel a concessão do trem de alta velocidade entre Rio de Janeiro e São Paulo, um projeto cuja viabilidade dependerá do vencedor das eleições presidenciais.

A concessão do projeto, defendido pela presidente brasileira e considerado por alguns de seus possíveis rivais como custoso e desnecessário, foi adiada em setembro pela quarta vez desde 2010, por isso que em caso de vitória Dilma, a presidente terá a incumbência de colocá-lo em andamento.